Ácidos que podem ser usados durante o verão para amenizar rugas e flacidez
11 de janeiro de 2017
O poder da criolipólise para combater as gordurinhas
12 de janeiro de 2017
Mostrar Todos

Veja como a cirurgia bariátrica pode recuperar sua saúde e boa forma

Muito mais do que uma questão estética, livrar-se do excesso de peso e sair do quadro de obesidade é uma questão de saúde – essa doença diminui a expectativa de vida em até 15 anos. Se você já tentou de tudo para ver o ponteiro da balança baixar, talvez seja a hora de pensar em uma cirurgia bariátrica.

Por: Lela Malzone

Cada caso, uma técnica indicada

Existem diversas técnicas de cirurgia bariátrica e é o médico quem decide qual a mais indicada para cada paciente. Geralmente, são realizadas via laparoscopia, o que resulta em cerca de seis cicatrizes bem pequenas na região do abdômen, do tamanho aproximado de uma pinta. Confira abaixo como elas funcionam:

Bypass Gástrico: “septamos o estômago de maneira a diminuir a capacidade e desviamos um pouco o intestino, visando diminuir a absorção. Esta modificação provoca aumento do hormônio GLP1 e outros, que diminui em a fome e melhora as doenças metabólicas como: diabetes, hipertensão arterial, dislipidemia e outros”, explica o Dr. José Rubens Arnoni Jr.

Gastrectomia Vertical ou Sleeve: realiza-se a septação gástrica e a retirada de um segmento de estômago. Não se mexe no intestino. O segmento retirado é o principal local de produção de grelina, um hormônio que induz a fome.

Balão Gástrico: uma prótese de silicone é colocada por endoscopia digestiva alta e preenchida com 400 a 700 ml, ocupando uma parte do estômago, levando à saciedade e restringindo o volume de alimentos. Esse é um procedimento ambulatorial, que dura cerca de 30 minutos, e não tem a necessidade de internação. Recomenda-se o uso do balão por seis meses e é possível um emagrecimento médio de 10 a 15% do peso inicial.

Dieta e atividade física. Essa é a dupla que a maioria das pessoas utiliza quando deseja emagrecer e entrar em forma. Infelizmente, no caso de alguns obesos, ela acaba não sendo tão eficiente e é preciso recorrer a uma solução mais invasiva, como a cirurgia bariátrica. “A obesidade é uma doença genética e crônica que exige um tratamento eficaz para mantê-la sob controle, propiciando saúde e qualidade de vida. Como toda doença, existem etapas de tratamento e cabe ao médico determinar qual a estratégia a ser usada. A cirurgia bariátrica e metabólica deve ser indicada quando há uma falha do tratamento clínico em pacientes com um índice de massa corporal superior a 35 m/kg², associado a doenças, ou 40 m/kg², independentemente de outros fatores”, explica o cirurgião bariátrico Luiz Vicente Berti, diretor técnico do Centro de Cirurgia Obesidade e Metabólica (SP).

Diferentemente do que muita gente pensa, a cirurgia bariátrica não é um “milagre” que faz a pessoa emagrecer do dia para a noite, como em um passe de mágica. “O emagrecimento é lento e progressivo, sendo possível eliminar de 30 a 40% do peso inicial. Esta porcentagem foi constatada na média dos pacientes já operados, mas é variável de acordo com o metabolismo e a disciplina do paciente”, comenta o cirurgião bariátrico José Rubens Arnoni Jr., da Clínica IMEC (SP), que ainda ressalta que após 15 meses, em média, o peso do paciente costuma de se estabilizar.

Novas curvas, novos costumes

Antes de uma cirurgia bariátrica, é comum que o médico indique o paciente para uma consulta com psicólogo para que a pessoa entenda melhor sua relação com a comida e lide melhor com isso após a cirurgia. De nada adianta submeter-se à cirurgia e continuar comendo errado, é essencial mudar o tipo e a quantidade de comida que consome durante as refeições.

A nova dieta já começa a ser incorporada logo após a cirurgia, que costuma durar aproximadamente 1 hora e meia e exigir uma permanência hospitalar em torno de 48 horas. “Durante os primeiros 14 dias, os pacientes permanecem em uma alimentação líquida (caldos, sucos, isotônicos, água de coco, água, chás…), fundamental para um processo de cicatrização seguro. Após esta fase, iniciamos uma transição gradativa entre alimentos pastosos, semissólidos e, ao final de 30 dias, iniciamos a alimentação sólida, muito semelhante à adotada antes da operação”, diz o Dr. Luiz Vicente Berti.

A prática de atividade física é muito bem-vinda – além de ajudar no processo de emagrecimento, garante um corpo mais firme – e está liberada após 40 dias da cirurgia. E para manter o peso conquistado com a cirurgia bariátrica, o segredo está na alimentação saudável e balanceada – pouca quantidade, várias vezes ao dia. O ideal é contar com a ajuda de um nutricionista para ela indicar um menu variado e com a quantidade certa de alimento para cada pessoa.