Receitas para manter a forma sem abrir mão das delícias
15 de maio de 2017
Fuja dos hábitos que estregam a beleza das sobrancelhas
17 de maio de 2017
Mostrar Todos

Aposte na alimentação perfeita para uma gravidez saudável e o bom desenvolvimento do bebê

A gravidez costuma ser um período marcado pela alegria, mas também pela ansiedade e, muitas vezes, as gestantes acabam recorrendo a determinados alimentos para tentar amenizar essa sensação. Veja as dicas de como não abusar dos doces e seguir uma dieta saudável durante essa fase da sua vida

 

Sabemos que durante o período da gestação, as futuras mamães precisam estar bem nutridas, já que influenciam de forma profunda e duradoura a saúde do feto, do recém-nascido e da criança até a idade adulta. Conforme a médica nutróloga Cristiane Molon (SC), a alimentação adequada é essencial para a manutenção da placenta e o transporte de nutrientes entre a gestante e o bebê. No primeiro trimestre, por exemplo, é importante priorizar alimentos com maior quantidade de nutrientes, vitaminas e proteínas. Para as náuseas, comuns na etapa inicial da gestação, vale consumir alimentos mais secos, gengibre e chás de erva-doce e camomila. Já nos dois últimos trimestres, segundo a especialista, a criança apresenta ganho de peso e se deve aumentar a ingestão de alimentos nutritivos. No entanto, é essencial ter cautela na escolha dos alimentos, pois consumir muitos doces, carboidratos e açúcar pode levar ao ganho de peso, inchaço e o desenvolvimento de diabetes gestacional, com riscos para a mãe e o bebê”, explica.
Durante a gestação também é fundamental controlar a quantidade de alimento e não use como desculpa que está comendo por dois. Não existe liberação no consumo, mas, sim, atenção redobrada para a ingestão de proteínas, como carnes, peixes, ovos e quinoa, e de micronutrientes, como ácido fólico, ferro, vitaminas A, C e B12 e cálcio.
O ganho excessivo de peso pode ser prejudicial para o bebê e para a criança anos mais tarde. “Estudos vem mostrando que a saúde do adulto pode ser um reflexo das práticas alimentares às quais ele foi exposto durante a vida intrauterina”, comenta. Além disso, esse exagero na balança associado à má alimentação, complicações gestacionais e exposição a substâncias como cigarro, álcool, drogas são capazes de aumentar a predisposição a algumas doenças na fase adulta. Na lista estão a obesidade, o diabetes, as doenças cardiovasculares e a depressão.

Dicas espertas:
– Inclua no cardápio alimentos variados para evitar a carência de nutrientes específicos.
– Diminua o consumo de sal e opte por especiarias, como alho, alecrim, salsa, açafrão e manjericão.
Ingira líquidos, de preferência, nos intervalos das refeições, evitando a má-digestão. Uma boa opção são os chás de camomila, erva-doce e cidreira.
Abandone os refrigerantes, sucos industrializados, chá mate e chá preto (estes contêm cafeína e podem diminuir a absorção de ferro).
– Substitua-o café pela versão descafeinada ou por chás.
– Evite consumir saladas cruas em ambientes suspeitos com a qualidade de higienização.
– O hábito de comer doces todos os dias não deve existir. Coma frutas, tome chás com cravo ou canela e faça exercícios físicos para diminuir a vontade de comer doces.
Fique longe de adoçantes artificiais como aspartame e a sacarina. Estudos mostram que eles exercem efeitos negativos na gestação com reflexos na saúde do bebê;
– Consuma alimentos ricos em ômega 3 (truta, sardinha, atum, salmão, semente de linhaça), eles são importantes para o desenvolvimento neurológico do bebê.
– Exponha-se ao sol, pelo menos, por dez minutos ao dia. Assim, é possível aumentar a síntese de vitamina D, importante para a saúde óssea, coração, sistema imunológico e intestinal.