Cinco drinks refrescantes à base de matchá
8 de novembro de 2017
Mantenha o cabelo lindo (também) no verão!
8 de novembro de 2017
Mostrar Todos

10 alimentos que ajudam a controlar o diabetes

Segundo dados da Federação Internacional do Diabetes, essa doença metabólica atinge cerca de 11 milhões de brasileiros. Entre os principais cuidados para evitar essa doença, está a alimentação regrada

Antes de mais nada, é importante que é o diabetes é uma doença metabólica que eleva os valores de glicemia no sangue, devido a ausência, deficiência e/ ou resistência à ação do hormônio (insulina) produzido pelo pâncreas. Os portadores não conseguem metabolizar corretamente a glicose que está no sangue em energia já que a insulina (responsável por esta transformação) não é produzida corretamente. Para ser ter uma ideia, a glicemia (glicose no sangue) de jejum considerada normal é 100 mg/dl quando ela está acima de 126 mg/dl há o diagnóstico de diabetes. Entre as pessoas com maior risco de desenvolver diabetes estão as que têm obesidade, hipertensão, altos níveis de colesterol e triglicérides, usam medicamentos à base de cortisona, as que possuem familiares com a doença e não praticam atividade física regularmente.

Hoje em dia, para alívio dos diabéticos, já há diversas maneiras de controlá-la, mesmo porque quando a doença está descompensada podem surgir lesões graves e potencialmente fatais, tais como o infarto do miocárdio, derrame cerebral, cegueira, impotência, úlcera nas pernas e até amputações de membros. Segundo o nutrólogo Oswalmir Sá, da clínica Corpometria (DF), no tratamento, o uso de medicamento, apesar de essencial, é tão importante seguir uma dieta específica e balanceada. “No controle do diabetes é importante ter constância na alimentação, manter uma dieta mista e acompanhada por nutricionista, inclusive nos fins de semana, sem exagerar com produtos industrializados, e optar sempre por alimentos in natura ou pouco industrializados”, esclarece. Um dos erros mais comuns aos portadores é trocar produtos naturais por industrializados como os lights e diets, ficar sem se alimentar por muito tempo e depois fazer grandes refeições e, ainda consumir exageradoamente frutas que, podem prejudicar no tratamento, pois afetam diretamente no controle glicêmico do organismo.

Para os diabéticos que querem melhorar a convivência com a doença, o nutrólogo sugere uma lista com alguns alimentos que não podem faltar:

Feijões: tanto o carioca, o preto e o branco, contêm diversas vitaminas e minerais como magnésio e potássio, além de fibras e, mesmo contendo carboidratos, os feijões têm muitas proteínas.

Vegetais de folhas escuras: espinafre, brócolis e couve têm vitaminas A, C, E e K, além de ferro, cálcio e potássio e ainda possuem baixa quantidade de calorias e carboidratos.

Frutas cítricas: laranja, limão, lima, mexerica e outras, se comidas com bagaço, têm grande quantidade de fibras, além de vitamina C e potássio.Batata-doce: seu carboidrato é de baixo índice glicêmico (não sobe muito rápido o açúcar no sangue), além disso pode ser usada para tentar enganar o desejo de comer doces.

Cerejas e morangos: possuem antioxidantes que combatem o envelhecimento, vitaminas e minerais.

Tomate: é fonte de vitamina C e E, possui potássio e antioxidantes que aumentam ou diminuem conforme a forma de preparo.

Peixes com ácidos graxos Ômega 3: salmão, sardinha, truta e atum possuem a gordura ômega 3 que pode ajudar a reduzir o risco de doenças cardíacas e inflamações. A American Diabetes Association recomenda a ingestão desses tipos de peixes no mínimo duas vezes por semana.

Castanhas: um punhado delas pode nos prover uma boa quantidade de gorduras boas e diminuir a fome. Além disso, possuem magnésio e fibras. Algumas castanhas e sementes como chia e linhaça ainda possuem ômega 3.

Cereais integrais: apenas aqueles que são 100% integrais como aveia, quinoa, farinhas integrais e amaranto são fontes de magnésio, vitaminas do complexo B, cromo, ferro e folato e são grandes fontes de fibras.

Leite e iogurte: fontes de cálcio e proteínas, normalmente opte por leites e iogurtes mais magros e sem adição de açúcar.