DETOX na cabeça
20 de outubro de 2016
Arrase no Halloween
24 de outubro de 2016
Mostrar Todos

Linda depois da gravidez

Barriga retinha, seios firmes e silhueta livre de gordurinhas. Sim, é possível ficar com o corpo em forma depois de ter filho. E quando a dieta e os exercícios físicos não são o suficiente, está na hora de contar com a ajuda da cirurgia plástica.

Por: Cibele Carbone

gravidez1Qual a mulher que, depois de ter um filho, não se olha no espelho e fica pensando se o seu corpo voltará a ser como antes? Praticamente todas! Por mais feliz e plena que seja essa fase da nossa vida, é natural que a gente também queira sentir-se realizada quando o assunto é beleza e autoestima. Mas é preciso ter muita calma nessa hora e respeitar o tempo de recuperação do corpo e a fase de amamentação do bebê para só depois começar a pensar em fazer ou não uma cirurgia plástica. “Normalmente, indicamos que a paciente espere até seis meses para fazer uma abdominoplastia ou qualquer outra cirurgia plástica após a gestação. Mas o ideal mesmo é que ela não esteja mais amamentando”, explica o cirurgião plástico Marco Cassol (SP).

Se você deseja ter outro filho em um curto espaço de tempo, o ideal é que você encare o bisturi somente depois da nova gravidez. “Do ponto de vista estético, são imprevisíveis as alterações que futuras gestações poderiam impor aos resultados cirúrgicos obtidos, cabendo, neste caso, planejamento por parte da paciente quanto ao melhor momento pra se submeter aos procedimentos”, comenta o cirurgião plástico Leandro Ventura (RJ).

Confira ao lado quais as técnicas de cirurgia plástica que vão ajudar a recuperar as curvas de antes da gravidez:

Lipoaspiração

Indicação: remoção de gordura localizada
Como é feita: após aplicação de anestesia local associada com sedação, o cirurgião plástico insere a cânula para aspirar o excesso de gordura. As cicatrizes são bem pequenas – possuem cerca de 0,5 centímetro, tamanho semelhante ao de pinta. Elas são posicionadas em regiões em que fiquem mais escondidas.
Pós-operatório: é comum a região ficar dolorida, inchada e com equimoses (manchas roxas) por alguns dias. Os cuidados pós-operatórios de forma geral são a não exposição à luz solar das áreas lipoaspiradas até que a pele esteja recuperada, não entrar no mar ou em piscinas até a liberação médica, para que não ocorram casos de infecção, drenagem linfática realizada por especialistas e uso de malhas modeladoras. Caso você não siga os cuidados recomendados pelo seu médico durante o período solicitado – geralmente, 45 dias –, podem aparecer fibroses na região operada, que nada mais são do que parte do processo de cicatrização,
que ocorre tanto por fora da pele como por baixo dela.

Abdominoplastia

Indicação: quando há excesso de pele e de flacidez da musculatura e até estria na região abaixo do umbigo – neste caso estrias largas nessa área também podem ser eliminadas através da técnica.
Como é feita: após anestesia local associada com sedação, o médico faz uma incisão na região pubiana – geralmente, de 20 a 30 centímetros, dependendo da largura do quadril da pessoa -, para tracionar a pele
e remover o seu excedente. “Quase sempre, a cicatriz da cesárea é aproveitada ao realizar uma abdominoplastia. Mas é preciso analisar cada caso”, comenta o cirurgião plástico Fernando Bianco (RJ).
Pós-operatório: após a cirurgia é essencial que a paciente fique de repouso domiciliar por aproximadamente três dias. É preciso usar durante cerca de 40 dias cinta pós-cirúrgica. No primeiro mês também não pode pegar peso, não fazer nenhum tipo de esforço, não se expor ao sol ou a região operada ao excesso de calor e não usar roupas justas e apertadas. Durante 15 dias é recomendado que a paciente, quando for andar, mantenha a postura ligeiramente curvada. Além disso, é indicada a drenagem linfática que ajuda na recuperação e reduz os edemas. Caminhadas leves após 45 dias. Já as atividades físicas só estão liberadas depois de quatro meses. É imprescindível seguir as orientações médicas no pós-operatório para não haver comprometimento do resultado. Os riscos são ruptura dos pontos, má cicatrização, ondulação do tecido, incidência direta dos raios solares causam manchas, entre outros problemas.

Redução mamária ou Implante de silicone

Indicação: eliminar o excesso de tecido e gordura dos seios ou recuperar o volume das mamas.
Como é feita: ambas as técnicas são realizadas sob anestesia local associada com sedação. Na mamoplastia redutora, o médico realiza a incisão – que pode ser em formato de T ou L invertido – na metade inferior da mama para eliminar o excesso de tecido mamário e remodelar os seios. Caso seja necessário, também é possível reduzir o tamanho das aréolas, deixando-as proporcionais ao novo formato das mamas. Já no implante de silicone, o médico pode inserir o implante por três vias de acesso – areolar, sulco da mama ou axilar -para aumentar o volume das mamas e eliminar os resquícios de flacidez.
Pós-operatório: uso de sutiã pós-cirúrgico por cerca de dois meses. No primeiro mês é essencial evitar movimentos bruscos com os braços para evitar a ruptura dos pontos internos e externos.