Glúteos
1 de agosto de 2010
Nariz
1 de agosto de 2010
Mostrar Todos

Corpo

Seios fartos, bumbum à brasileira ou cintura fininha. Vamos combinar que a moda varia bastante. Mas, mesmo assim, a lipoaspiração não sai nunca do top 5 das mais pedidas nos consultórios de cirurgia plástica. E não é à toa. Com o passar dos anos, a lipoaspiração tradicional foi ganhando fi lhotes, versões mais específicas para cada parte do corpo e para diferentes resultados, menos invasivas, com recuperação mais rápida… Enfim, um cardápio de opções para satisfazer qualquer perfil de paciente.
A base de todas as variações é a mesma: utiliza-se uma cânula bem fininha, que pode variar de acordo com a técnica escolhida, e esta é introduzida na região onde há o excesso de gordura. O instrumento, então, aspira as células adiposas depositadas na região. A cirurgia não requer cortes e, portanto, a cicatriz resultante é bem pequena, similar a uma picada de agulha. Ou seja, elimina justamente aquela gordurinha mais odiada pelas mulheres (e pelos homens também, um público cada vez mais crescente) difícil de ser removida simplesmente com exercício físico e dieta. E isso explica as regiões do corpo mais solicitadas para a lipo por boa parte das mulheres, que são abdômen, flancos e culotes.

Pegadinhas da lipo
Manter uma rotina saudável ajuda a conquistar melhores resultados e, depois, a manter o efeito conquistado com a plástica. Essa dupla, atividade física + dieta, tem outro papel importante. Ela deve ser seguida antes da cirurgia para ajudar na perda de peso. Lembre-se que a lipoaspiração não é um procedimento de emagrecimento, já que pode extrair apenas 5% a 7% da gordura corporal – e, em algumas das técnicas, menos ainda. Por isso, se tiver acima do peso, nem pensar em fazer uma lipo. Trate de fazer as pazes com a balança antes de qualquer coisa.
E vale sempre lembrar: o fato de não ter nenhuma incisão grande e, assim, não deixar nenhuma cicatriz aparente faz com que muitas pacientes considerem a lipo um procedimento simples e corriqueiro. Mas trata-se de uma cirurgia como outra qualquer, com anestesia, internação, cuidados pós-operatório e outras etapas comuns a uma intervenção cirúrgica. Apesar de não terem sinais externos, a cânula, instrumento que aspira a gordura, percorre por toda a parte interna da região, ou seja, há uma intervenção que deve ser levada em consideração e respeitada.