“Hoje, sou quem eu sempre quis ser”
30 de setembro de 2013
Bumbum de parar a praia: plástica para um visual perfeito
18 de novembro de 2013
Mostrar Todos

Lipofilling: seios G sem silicone

Eis a boa notícia para as mulheres que tinham receio de aumentar as mamas por medo do implante das próteses de silicone. Agora, é possível conquistar a comissão de frente que você sempre sonhou sem precisar lançar mão de próteses. Descubra aqui tudo sobre essa técnica.

Um dos principais símbolos da feminilidade – e da sensualidade, é claro – são os seios. Justamente por isso, muitas mulheres que não foram agraciadas pela mãe natureza com uma comissão de frente mais farta, acabam reclamando que não se sentem tão femininas. A melhor opção até o momento para as moçoilas que buscam um decote mais recheado é o implante de silicone nas mamas, que garante um resultado eficiente e duradouro. Mas mesmo com toda a segurança comprovada que as novas próteses de silicone ainda há quem tenha receio de se submeter a esse tipo de cirurgia por medo de complicações como encapsulamento.

A boa notícia é que dá para aumentar os seios sem precisar recorrer aos implantes. Estamos falando da técnica de lipofilling mamário. “Também conhecido como lipotransfer, lipomodeling   ou, mais comumente, enxerto de gordura, é o ato de colocar gordura autóloga, ou seja, da própria paciente, em alguma área do corpo em que se deseja modelar. Pode ser utilizado para aumento de glúteos, aumento mamário, correção de deformidades no tronco e nos membros, na reconstrução de mamas pós-cirurgia de câncer e para preenchimento facial”, explica o cirurgião plástico Paulo Hypácio  (PE). Mas vale ressaltar que essa técnica é indicada apenas para os casos em que a mulher deseja aumentar os seios de maneira comedida.“Conseguimos melhores resultados com os pequenos aumentos, já que uma parte da gordura é reabsorvida. Porém, normalmente é necessário mais de um procedimento para se alcançar o volume final desejado”, comenta o cirurgião plástico Rodrigo Otávio Carbone  (SP).

 

Tira daqui, põe ali

Para saber se você é uma candidata ao lipofilling mamário é necessário averiguar se você tem alguma região do corpo com excesso de gordura localizada para removê-la dessa parte e injetá-la nas mamas. Retira-se a gordura, preferencialmente, do abdômen, das coxas e do dorso. Porém, qualquer área pode ser aspirada. Essa gordura é removida através de uma lipoaspiração tumescente, em baixa pressão e em sistema fechado (sem contato com ar ambiente), para depois ser centrifugada para poder purificar a amostra e separar os resíduos indesejados.“Essa gordura é tratada para deixá- la mais pura e com uma chance menor de reabsorção”, complementa o Dr. Paulo.

Feito isso, o cirurgião plástico parte para a segunda etapa do procedimento – que é o aumento da mama. “A gordura tratada é injetada por meio de cânulas finas, em retroinjeção – de trás para frente -, em pequenos túneis, atrás da glândula mamária e na frente do músculo peitoral, tentando manter maior contato possível da gordura injetada com tecido bem vascularizado para diminuir a reabsorção”, explica o cirurgião plástico Dr. Rodrigo Otávio Carbone.

 

Vantagens X desvantagens

Assim como qualquer cirurgia plástica, o lipofilling mamário possui seus prós e contras. A principal vantagem dessa técnica é que ela deixa uma cicatriz bem menor do que as do procedimento de implante de silicone. Para inserir a gordura, é feita uma pequena incisão no sulco submamário, com cerca de 3 a 7 milímetros. Consequentemente, a cicatriz irá ficar aproximadamente deste mesmo tamanho, bem parecida com uma pinta.

A grande desvantagem do lipofilling é que parte da gordura enxertada é reabsorvida pelo organismo – cerca de 30% a 40% -, o que pode levar à necessidade de se realizar uma nova cirurgia para colocar mais gordura na mama, corrigindo seu tamanho ou para aumentá-la ainda mais.“A quantidade da absorção desta gordura depende mais da técnica e do preparo da gordura do que propriamente do quanto foi enxertado”, alerta o Dr. Paulo Hypácio.

Vale ter em mente, ainda, de que se você deseja seios à la Pamela Anderson, dificilmente irá conseguir esse efeito com o lipofilling. Nesses casos, o implante de silicone, sem dúvida alguma, é a melhor alternativa. “O lipofilling mamário não é indicado para grandes aumentos. Essa técnica é indicada para as pacientes que não querem colocar a prótese de silicone, mas desejam um colo desenhado e seios ligeiramente mais volumosos”, completa o Dr. Rodrigo Otávio Carbone.

Cuidados essenciais

Para garantir que tudo saia conforme o planejado pelo seu cirurgião plástico, é essencial que você siga todas as orientações que ele passar. Antes de submeter-se ao lipofilling mamário, é   preciso   fazer   uma bateria de exames (hemograma completo, coagulograma, eletrocardiograma, exames de imagem, entre outros) para checar se a saúde está em dia. após o procedimento, a lista de cuidados é grande – é imprescindível o uso de cinta compressora, por 45 dias, para que a adesão da pele do local de onde saiu a gordura seja perfeita; evite esforço físico por dias; submeta- se a cerca de dez sessões de drenagem linfática no corpo e nas mamas, para evitar fibroses  e amenizar edemas; e  use  sutiã cirúrgico por dois meses. “O retorno ao trabalho se inicia por volta do décimo dia após   a cirurgia”, diz a cirurgiã plastica Bianca Ohana (RJ).

O resultado da plástica pode ser notado após três meses, apesar de que logo após a saída do centro cirúrgico você já irá notar a mudança no visual. “Só vale lembrar que o visual que a paciente conferir nos primeiros dias após a cirurgia não é o que irá ficar, já que o corpo ainda estará inchado e parte da gordura dos seios será reabsorvida”, finaliza o Dr. Rodrigo Otávio carbone.