Dicas para viver melhor
23 de setembro de 2010
Pronta para a cirurgia plástica?
24 de setembro de 2010
Mostrar Todos

Sorriso mais que perfeito

O que são aquelas rachaduras na língua?
Elas são tecnicamente conhecidas como língua fissurada e não devem ser confundidas com a chamada língua geográfica. A primeira costuma estar associada a condições hereditárias e aos portadores das Síndromes de Down e Mekerson-Rosenthal (doença neurológica rara caracterizada por paralisias faciais recorrentes, edema da face e dos lábios). Pode apresentar fissuras, rachaduras ou sulcos dispostos tanto de forma longitudinal, transversal ou oblíqua, sobre parte ou sobre toda a superfície do dorso da língua. Já a língua geográfica tem transmissão hereditária e caráter crônico, que pode ser exacerbado, a partir da presença de certos alimentos de origem ácida, que se impregnam nas fi ssuras. “Caracteriza-se por apresentar placas ou regiões avermelhadas da língua, com lesões avermelhadas e bem visíveis quando se inspeciona a língua, despapiladas (sem papilas línguais), com borda esbranquiçada e ligeiramente elevada”, explica o dentista Gerson Köhler (PR).

De olho na dieta!
Pouca gente sabe que a alimentação balanceada influencia na saúde bucal. Uma dieta saudável deve conter vitaminas, sais minerais e fibras que podem ser encontradas no arroz, no feijão, no peixe, no leite e nos ovos. “Cabe lembrar que a má nutrição e defi ciências vitamínicas provocam a diminuição no fluxo salivar, gengivite e outras alterações na gengiva e no periodonto”, alerta a ortodontista Vivian Farfel (SP). Se a dieta exigir jejum prolongado, isso leva a hipoglicemia e a queima de gordura, que produz gases de odores fortes. O uso de fórmulas para emagrecer, costuma provocar desidratação pelos laxantes contidos na composição e, por este motivo, leva à diminuição do fluxo salivar e formação de saburra lingual, levando ao mau hálito.

Novidade contra as cáries
Ir ao dentista sempre foi sinônimo daquele barulhinho bem chato do motorzinho, certo? Recém chegado ao Brasil, o tratamento alemão Icon, desenvolvido em parceria com a Universidade Charité Berlin, permite tratar as cáries, em estágio inicial sem o uso da broca, sem anestesia, sem dor para o paciente e o melhor, em uma única sessão. Ele preenche com uma resina os poros do esmalte dos dentes afetados pela cárie, impedindo a progressão da lesão cariosa. A camada de esmalte superficial é removida com um gel ácido, permitindo que os poros afetados, agora expostos, sejam revestidos com uma resina especial, que devido ao seu alto poder de penetração, infiltra profundamente na lesão e fecha os poros, evitando assim a progressão da cárie, e protegendo a estrutura saudável do dente. “Sem dúvida uma das maiores vantagens para o paciente é que com a nova técnica ele não perde tecido saudável, pois com o uso da broca parte do dente sempre é removido com a cárie, e o Icon permite preservar essas estruturas. Além disso, o paciente não precisa ser anestesiado, não sente dor e é um tratamento muito mais rápido e prático, realizado em uma única sessão”, explica o cirurgião dentista José Augusto de Souza Negrão, da Clínica Smile Again (SP).

Acabe com o ronco no dentista
“Utiliza-se um aparelho composto por duas placas de acrílico separadas que se encaixam nas arcadas. Seu objetivo é avançar levemente a mandíbula para evitar que a língua deslize em direção a garganta e obstrua a passagem de ar durante o sono”, explica o dentista Fausto Ito (RJ). Os elásticos específicos deste aparelho são responsáveis pelo avanço da mandíbula sem restringir os movimentos da boca durante o sono. Com essa técnica, a pessoa pode regular a quantidade do avanço mandibular. O dispositivo é usado somente durante a noite e é indicado para ronco, bruxismo, apneia leve e moderada e casos e apneia grave quando a pessoa não se adapta ao CPAP – máscara nasal. Com o uso regular do dispositivo associado a algumas mudanças com relação à alimentação, consumo de bebidas alcoólicas e atividade física, o ronco desaparece, os sintomas da apneia são reduzidos e a pessoa volta a dormir e respirar adequadamente, ou seja, melhora a sua qualidade de sono e de vida.

Qualquer pessoa pode colocar implantes?
Os principais motivos contraindicados para a colocação de implantes dentários são: “crianças antes da fase final de crescimento, pacientes com imunidade muito baixa (tem risco maior a infecção e complicações pós-operatórias, mas quando recuperar esta imunidade, a pessoa estará apta), pacientes que fazem reposição hormonal (porque tem o risco de necrose óssea na região dos implantes)”, explica o dentista Bruno Brenner Pentagna, da Clínica Implanto (RJ). Existem também fatores que diminuem o índice de sucesso dos implantes, mas não o contraindicam. São eles: problemas cardíacos de alto risco, como próteses valvulares aórticas ou mitrais, cardiopatias congênitas ou antecedentes de endocardite infecciosa.

Cuidados mais do que essenciais
Segundo a Academy of General Dentistry (EUA), o modo como as pessoas armazenam suas escovas também contribui, e muito, para a proliferação de bactérias e infecções como gengivite ou até gripes e
resfriados. Por isso depois de escovar os dentes, lave a escova com bastante água e seque-a com um lenço de papel, nunca usando toalhas. Guarde sua escova na posição vertical e se outras dividirem o mesmo recipiente garanta que elas não entrem em contato uma com as outras.

Seu sorriso é perfeito?
Estudo feito pela Escola de Odontologia da Loma Linda University, na Califórnia (EUA), “definiu” o modelo do sorriso perfeito. Segundo Nicholas Davis, autor do estudo, a definição se baseia em princípios “estabelecidos por meio de dados coletados de pacientes, modelos de diagnóstico, pesquisa odontológica, medições científicas e conceitos artísticos básicos de beleza e levam em conta a harmonia entre a estética facial e a composição dentária”. Para ser perfeito, o sorriso deve ter pelo menos metade da largura da face, as metades direita e esquerda dos lábios devem ser simétricas e eles devem ser igualmente carnudos, os dentes devem ser alinhados à linha imaginária vertical que divide o rosto ao meio, e os incisivos superiores devem ser o traço mais dominante do sorriso já os dentes de baixo não podem aparecer muito quando a pessoa sorri e a gengiva deve aparecer pouco quando sorrimos e ter um tom de rosa pálido.

Proteína Morfogenética Óssea
A procura pelos implantes dentários vem aumentando nos últimos anos por quem perdeu um ou mais dentes. Mas para que se possa fazer um implante é necessário haver uma quantidade óssea mínima disponível para a sua fixação. Infelizmente, nem sempre os especialistas encontram essa quantidade suficiente nos pacientes. Muito recorrem ao enxerto ósseo, técnica que precisa de uma área doadora para colher osso e colocar no lugar necessário. Nestes casos, de reparação do tecido ósseo, a novidade é a Proteína Morfogenética Óssea. O cirurgião-dentista Sidnei Goldmann (SP) explica mais sobre esta técnica que tem tudo para ser a queridinha dos implantodontistas.

O que são proteínas morfogenética óssea – a BMP?
São proteínas encontradas em altas concentrações no tecido ósseo da dentina de humanos e animais. São as responsáveis pela habilidade indutiva e regenerativa. É uma substância indutora de formação óssea.

Como elas funcionam?
As BMPs, em forma líquida, são implantadas na arcada dentária através de carregadores (uma espécie de esponja) que fornecem estrutura para a formação de outros tecidos como gengiva e polpa dental.

Qual a sua indicação?
Para a reconstrução óssea, maxilar, de mandíbula, levantamento de seio maxilar e enxertos em geral. Não há contraindicação.

Como é a cirurgia?
Antes da cirurgia, é solicitado: exame clínico, raios-X e tomografia computadorizada para verificar a atrofia óssea (perda óssea). E, após estudo do caso, dá inicio a técnica de ROG (Regeneração Óssea Guiada). O primeiro passo é anestesiar o paciente e fazer uma incisão invertida para colocar o preenchimento ósseo (a BMP) através de um carregador (uma membrana com colágeno, como se fosse uma esponja) e inserida no tecido gengival. Como a membrana de colágeno é muito sensível e precisa ser moldada, é necessário envolve-la com um arcabouço (como se fosse uma cabana, uma moldura que protege e molda o enxerto, o osso) que é o responsável pela forma e volume da região. Para finalizar, o corte é suturado com pontos reabsorvíveis, ou seja, que não precisa ser retirado. O implante poderá ser colocado após seis meses quando é retirado o arcabouço (a proteção) feito de titânio ou aço inoxidável e colocado o implante na região reconstruída.

Qual a vantagem?
O paciente não precisa remover osso de nenhum lugar do organismo, já que as BMP promovem a formação de células ósseas, a cirurgia é rápida e o pós-operatório, bom.

E os cuidados após a cirurgia?
Comer comidas leves nas primeiras semanas, evitar esforços físicos 24 horas após cirurgia, tomar a medicação indicada pelo profissional além de, é claro, fazer a higiene da região com anti-sépticos com clorexidina 0,12%.