Desintoxicar para secar
1 de julho de 2010
Quanto você quer rejuvenescer?
1 de julho de 2010
Mostrar Todos

Inverno sem drama

A vida de quem sofre com hipersensibilidade dentária não é nada fácil. Atos simples e que deveriam ser prazerosos, como apreciar um bom cafezinho ou se deliciar com uma sopa quentinha, tornam-se verdadeiras torturas. Entenda a seguir quais as causas desse mal tão comum entre os brasileiros, descubra como tratá-lo e dê adeus ao receio de consumir certos alimentos nos dias mais friozinhos do inverno
por Patrícia Affonso

As baixas temperaturas, típicas do inverno, já chegaram. E como sempre, não vieram sozinhas. A estação mais fria do ano é conhecida também por trazer à mesa uma série de quitutes que fi cam um pouco esquecidos nas outras épocas do ano: fondue, chocolate quente, sopa, caldos dos mais diversos… Hummm, dá água na boca só de pensar! No entanto, muita gente se vê obrigada a passar longe dessas delícias. Para essa turma, basta ingerir uma pequena porção de alimentos quentes que o organismo responde, mais do que depressa, com uma dorzinha aguda e persistente que tem origem na dentição. Se você já foi pega de surpresa por esse tipo de incômodo, fi que atenta: pode ser a hipersensibilidade dental, um problema que afeta cerca de 30% da população brasileira. “Outros tipos de estímulos, como a ingestão de alimentos gelados ou muito doces também podem despertar essa reação dolorosa que caracteriza a presença dos dentes sensíveis”, aponta o cirurgião-dentista Oscar Razuk (SP).

Quais as causas da hipersensibilidade dental?
Quando a camada protetora do esmalte do dente é corroída ou, ainda, se a gengiva recua, a dentina pode fi car exposta. Começa, então, o problema. “Uma vez desprotegida, a dentina, que é conectada por meio de canalículos ao nervo central do dente (polpa), pode reagir com dor intensa a estímulos como frio e calor ou sentir ainda mais incômodo mediante as cáries”, esclarece o cirurgião-dentista Gabriel Lembo, diretor técnico da Simplan Implantes (SP). Nesse contexto, existe um conjunto de facilitadores da sensibilidade dental. Dentre eles, vale ressaltar o bruxismo (hábito de apertar e ranger os dentes), a mordida cruzada e a escovação muito forte, que causam o desgaste dos dentes e podem interferir no seu alinhamento sobre a gengiva expondo, consequentemente, a dentina.

Existem pessoas mais suscetíveis ao problema?
Estão sujeitos a sofrer com o desconforto dos dentes sensíveis aqueles que consomem bebidas e alimentos cítricos em grandes quantidades. Portanto, fi que atenta: entram nesse grupo refrigerantes, frutas cítricas como abacaxi, laranja e limão, tomate, molhos para salada com vinagre, dentre outros. Portadores de refl uxo gástrico e de distúrbios alimentares, como a bulimia, também são alvos mais fáceis, pois a saliva fica carregada do ácido presente no estômago e pode causar desgaste dental.

É possível tratar o problema em casa?
Infelizmente, não. “É preciso combater a origem: as causas da sensibilidade. Do contrário, o problema volta”, garante cirurgião-dentista Osvaldo de Souza Lima Filho, da Implandent (SP). Então, já sabe: se a hipersensibilidade der sinal, o melhor caminho é procurar um dentista que, primeiro irá levantar as causas da sensibilidade e, aí sim, indicar o tratamento adequado e até mesmo o creme dental que responderá melhor ao seu caso. “Existem vários tipos, com ativos e ações diferentes. O dentista poderá prescrever a opção ideal, além de orientar seu uso de forma correta”, completa Oscar Razuk.

E no consultório, como é o tratamento?
Há várias alternativas no combate aos dentes sensíveis, que atuam desde os casos simples aos mais avançados. Conheça os mais comuns:

Fluorterapia: consiste na aplicação de flúor pelo dentista, em concentrações maiores do que a presente nos produtos utilizados em casa. “O flúor atua no fortalecimento e remineralização do dente, formando uma camada protetora sobre a dentina”, esclarece o cirurgião-dentista Gabriel Lembo. Não tem bons resultados nos casos em que o problema é originado por retração gengival.
Restauração: nesse caso, o dentista que cria uma barreira de resina (ou outro material estético) para proteger o local exposto, esteja ele na gengiva ou na parte superior do dente. É uma boa opção quando a estética também foi comprometida pelo desgaste dental ou a retração da gengiva. Afinal, bastam pequenas aplicações de resina para corrigir imperfeições e dar um novo aspecto ao sorriso.
Laserterapia: é utilizado um laser de alta potência que causa uma espécie de derretimento da dentina. “Assim, os canalículos expostos são vedados, evitando a dor. Geralmente, é preciso refazer o procedimento a cada dois anos”, diz o Dr. Gabriel Lembo. Recobrimento Gengival: essa cirurgia é indicada para quadros de retração gengival presente em vários dentes, esse procedimento realoca a gengiva em seu lugar de origem. O problema é o pósoperatório, muito dolorido, e a ausência de tratamento das causas da retração, que podem levar à reincidência do problema.

Ignorar o problema pode trazer outras complicações?
A médio ou longo prazo, o paciente pode sofrer uma irritação irreversível da polpa do dente, causando infecções ou até mesmo a necessidade de tratamento de canal. Isso sem falar que, em casos mais avançados, a hipersensibilidade difi ulta a higienização dental, o pode levar a cáries, infl amações na gengiva e a perda dos dentes.

ESPANTE A DOR DA SUA VIDA
Com alguns cuidados simples, você oferece aos seus dentes maior proteção contra a hipersensibilidade. A vantagem? Reduzir significativamente as chances de sofrer com essa dorzinha chata e ter de que passar longe de certas delícias. Aproveite as dicas dos especialistas e faça já a sua parte contra o problema:

ESCOVAÇÃO > escove os dentes com movimentos suaves e dê preferência às escovas com cerdas macias. “A escovação traumática é um dos principais facilitadores da sensibilidade dental, já que pode causar a retração da gengiva”, diz o cirurgião-dentista Oscar Razuk.
ALIMENTAÇÃO > vá com calma no consumo dos alimentos ácidos. Além disso, espere pelo menos 30 minutos para escovar os dentes depois de ingeri-los. É que antes disso, o ácido os deixa mais suscetíveis ao desgaste durante a escovação.
ENXAGUATÓRIOS > lance mão dos enxaguatórios bucais, mas sem álcool. “Isso porque, em alguns casos, a substância pode causar mais irritação na dentina”, explica o Dr. Gabriel Lembo.
CLAREADORES > cuidado com os produtos de efeito clareador. Sua ação abrasiva também deixa os dentes mais sensíveis.

AJUDINHA MUITO BEM-VINDA
Os produtos específi cos para dentes sensíveis promovem o alívio da dor, muitas vezes até de maneira imediata. Isso sem falar que são ótimos coadjuvantes no tratamento. Selecionamos algumas opções para você usar diariamente:
EXPERIMENTE
1. Antisséptico bucal para dentes sensíveis, Sanifill, R$ 8. É livre de álcool e contém citrato de potássio, que dessensibiliza a polpa dos dentes.
2. Enxaguante Bucal Pró-Saúde, Oral B, R$ 17. Com sabor de menta e sem álcool, protege os dentes por até 12 horas.
3. Creme Dental Fresh Mint, Sensodyne, R$ 6. Ideal para dentes sensíveis, sua fórmula tem mais flúor e baixo teor de abrasividade.
4. Creme Dental Sensitive Pro-Alívio, Colgate, R$ 5. Seus componentes especiais, a arginina o e carbonato de cálcio, criam uma barreira protetora contra os agentes causadores da sensibilidade.
5. Escova Curaprox, Curaden. R$ 11. Com 5460 cerdas macias, favorece uma escovação mais suave e eficaz aos que sofrem com os dentes sensíveis.
6. Escova Dental Sensitive Clean, Condor, R$ 6. Possui cerdas extramacias, que não agridem a gengiva.