Os novos tratamentos estéticos que vão bombar em 2017 e te deixar linda da cabeça aos pés
17 de março de 2017
Cinara Leal
17 de março de 2017
Mostrar Todos

A fórmula certa para garantir a harmonia perfeita de dentes e gengiva com seu sorriso

Quando pensamos em um sorriso perfeito, logo nos vem à cabeça dentes brancos e alinhados. Mas, não é só a aparência que deve ser levada em consideração. Gengiva, lábios, largura da face e estrutura natural dos dentes também são importantes para exibirmos um sorriso típico de propaganda de creme dental.

Por: Malu Bonetto

Um sorriso perfeito é aquele que é harmonioso com o restante da face, além de possuir formato e coloração dos dentes ideais. Mas não só isso que é levado em consideração na hora de se “construir” um sorriso perfeito. O cirurgião-dentista Guilherme Rocha, da Royal Odontologia (SP), ressalta que de nada adianta ter dentes perfeitos se a proporção deles em relação ao lábio e à gengiva não está harmônica. Apesar de existirem estudos que servem de referência para o início do trabalho de planejamento, deve-se ter em mente que a personalização é o segredo para criar um resultado natural que se encaixe nas características individuais de cada paciente. E é aí que entra o conceito de Arquitetura do Sorriso, técnica que leva em consideração a análise facial, labial e dentária. “Em um planejamento odontológico abrangente, as informações começam pela entrevista para descobrir os anseios do paciente e possibilidades de tratamento”, diz o cirurgião-dentista Aldo Brugnera Junior, do Instituto Brugnera Zanin (SP). Depois vem a análise, propriamente dita do sorriso. Veja a seguir quais os pontos que são levados em consideração na hora de avaliar se o sorriso é perfeito:

TAMANHO DA GENGIVA

O tamanho e o formato dos ossos bucais e dos dentes inferiores e superiores são diferentes para cada pessoa, mas para saber se as gengivas estão aparecendo mais do que o “normal” (3 mm) é necessário que seja feita uma análise por um periodontista. Caso a exposição gengival ao sorrir seja acima de 8 mm, é indicado o encaminhamento para o cirurgião-dentista bucomaxilofacial para realização da cirurgia ortognática, em que parte do osso é removido e reposicionado. Já se a exposição for menor, com cerca de 5 mm, esse problema pode ser resolvido com a aplicação da toxina botulínica no lábio superior, relaxando os músculos locais e diminuindo a exposição da gengiva. O efeito dura de quatro a seis meses, após os quais pode ser necessária ou não a reaplicação. Agora, se a gengiva fi car aparente
mesmo sem sorrir, é recomendada a gengivoplastia – popularmente conhecida como plástica gengival. Realizada sob anestesia local, remove-se o tecido gengival em excesso e a cicatrização ocorre entre sete e catorze dias.

COLORAÇÃO DA GENGIVA

A cor rosa pálida das gengivas é muito importante para a estética do sorriso. Mas algumas pessoas têm essa região mais escurecida devido a concentração de melanina. Nesses casos, pode-se indicar dois tipos de peeling – o químico, que é feito com a fricção de um produto para branquear a gengiva, num processo indolor, mas que pode durar várias sessões; e o mecânico, em que é feita uma raspagem da gengiva superficial. O procedimento é realizado em apenas uma sessão, porém é mais incômodo.

MEDIDA DOS DENTES

A formato dos dentes da frente é importante na aparência do sorriso. É ele que determina a individualidade de cada um de nós. Mas, de modo geral, a proporção ideal entre altura e largura dos incisivos centrais superiores é de 1:0,8, lembrando-se sempre de que a forma dos dentes deve entrar em harmonia com o restante da face. Assim, é comum, por exemplo, que pessoas com a face mais quadrada, tenham dentes com essa mesma tendência. Já os incisivos laterais idealmente devem ser 0,5 mm a 1 mm mais curtos que os incisivos centrais e caninos para proporcionar naturalidade e jovialidade ao sorriso. Dentes perfeitamente nivelados (sem nenhum degrau) perdem em estética, pois são associados a dentes desgastados pelo tempo e perdem a naturalidade. Uma das alternativas mais modernas e eficientes para garantir o formato estético dos dentes são as lentes de contato dentais. “Com aparência semelhante à unha postiça, essas lâminas finas de cerâmica possuem em média uma espessura entre 0,3- 0,5 mm e são coladas na frente dos dentes para corrigir imperfeições, mudar a forma, a cor e a posição dos dentes”, explica o cirurgião-dentista Reginaldo Migliorança, da Clínica Odontologia RM (SP).

COLORAÇÃO IDEAL

Existe uma preferência por dentes mais brancos, entretanto, o cirurgião-dentista Rafael Corveloni, da Prime Odontologia (SP), ressalta que dentes naturais não são brancos mesmo porque a cor varia de pessoa para pessoa e, o contraste entre a cor da pele e dos lábios com a dos dentes altera bastante a percepção da cor real dos dentes. Mas há pessoas que possuem os dentes muito amarelados por causa da nicotina o consumo excessivo de bebidas que mancham a dentina, como café, refrigerante à base de cola e vinho tinto. Quem deseja clarear o sorriso pode contar com várias técnicas. No clareamento a laser, o gel de clareamento é ativado com o auxílio da luz emitida pelo laser e o número de sessões vai depender do grau de escurecimento do dente, mas em média com duas sessões semanais clarea-se de cinco a quinze tons na escala de cor 3D. Já no clareamento no consultório com uso de moldeira, a moldeira recebe o gel clareador e é levada à boca por aproximadamente 30 minutos, sempre sob supervisão do profissional, no consultório, e para potencializar o resultado, o procedimento deverá ser repetido diariamente em casa. O número de sessões depende do grau de escurecimento dos dentes e da reação do organismo à intervenção. Há ainda o clareamento caseiro com moldeira, em que o paciente aplica o gel clareador na moldeira de silicone e usa por algumas horas ao longo de alguns dias até alcançar o tom ideal. O tempo de tratamento depende do grau de escurecimento dos dentes, mas geralmente dura de dez a 14 dias de uso contínuo do gel na moldeira.

Tecnologia a favor da harmonia facial

Segundo a cirurgiã-dentista Fatima Zanin, do Instituto Brugnera Zanin (SP), temos na face um desenho montado com curvas, ângulos, cores e formas que pode ser interpretado através de programas de computador que ajuda o profissional a determinar o design dental e a funcionalidade da mastigação. Realmente, é preciso fazer uma análise bem minuciosa para saber quais os tratamentos mais indicados para cada caso. Esse trabalho se torna mais eficiente (e rápido) quando pode-se contar com a ajuda da tecnologia. Segundo o, o sistema CAD/CAM, por exemplo, permite que o dentista faça uma escaneamento da boca do paciente e, posteriormente, o seu molde em 3D. A partir do molde, o profissional consegue fazer uma análise mais minuciosa das condições bucais do paciente, avaliando dentes e gengiva. “Através de fotografias e vídeos, analisamos o sorriso e, com o auxílio de um software fazemos uma simulação digital, onde o paciente pode entender o que foi arquitetado, podendo aprovar ou mesmo alterar o resultado final. Após aceito esse planejamento, esse projeto virtual é enviado para o técnico de prótese junto com um modelo inicial de gesso dos dentes do paciente, que vai fazer um enceramento trazendo esse planejamento virtual para o ‘mundo real’. Com esse modelo encerado, o clínico consegue através do mock-up fazer uma simulação do sorriso do paciente. O que torna o tratamento mais seguro e possibilita que a equipe multidisciplinar atue sobre o sorriso, realizando tratamentos como correção da gengiva, restaurações estéticas em resinas compostas, lentes de contatos, por exemplo”, finaliza o cirurgião-dentista Luiz Evandro Desideri Grangeiro Junior, na Clínica Omint (SP)