Enzimas contra gordurinhas e flacidez
27 de setembro de 2010
Seios turbinados com células-tronco?
27 de setembro de 2010
Mostrar Todos

A idade de sorrir!

Na infância , somos fanáticos por doces . Na adolescência , ficam os um pouco desleixados com os cuidados bucais . Na fase adulta, o estresse e hábitos inadequados prejudicam a dentição. E, quando idosos, a preocupação é a possível perda dos dentes . Saiba quais são os principais pecados que cometem os contra a saúde da nossa boca em cada fase da vida e, principalmente, os cuidados necessários para ter um sorriso perfeito em qualquer idade

Por Alessandra Oggioni

Sorvete, chocolate, pirulito, maçã do amor, doce de leite… Qual criança – e até mesmo muitos adultos – não é louca por estas delícias? É assim mesmo: primeiro vem o fanatismo por guloseimas açucaradas na infância. Depois, é a vez do refrigerante e do fast food típicos da adolescência e, tudo isso, geralmente vem acompanhado de maus hábitos de higiene bucal e da falta de cuidados com a saúde do sorriso. Na verdade, a preocupação com os dentes deve começar antes mesmo de eles nascerem. Quando bebê, um dos principais erros dos pais é adoçar a mamadeira dos pequenos. Isso pode trazer consequências muito ruins para a formação dos dentinhos de leite. E não para por aí. Na infância, vem o tsumani de doces que quase nunca é seguido de uma boa escovação. Depois, é a vez da falta de tempo para cuidar da saúde bucal e, na maturidade, todos querem correr atrás do prejuízo. Assim, em cada fase da vida e, consequentemente, com o passar dos anos, os pecados contra a saúde daboca continuam acontecendo, e às vezes até piorando. Seja pela falha de orientação dos pais, correria do dia a dia ou falta de informação, tudo serve de desculpa para justificar o descuido com a dentição. Mas uma coisa é certa: em qualquer faixa etária, uma boa higienização e a consulta periódica ao dentista são fundamentais para manter um sorriso bonito. “É preciso estimular sempre hábitos saudáveis, como consumo de frutas e verduras, exercícios físicos para aplacar a ansiedade e nunca substituir uma boa escovação por chicletes e balas”, diz o dentista Marcelo Fonseca (RJ). Conheça os principais “pecados” cometidos em cada fase da vida e as instruções de especialistas para buscar a solução adequada para cada um deles.

Pecados cometidos quando . . . bebezinho
Usar chupeta e chupar o dedo: o uso constante e prolongado de chupeta ou a sucção de dedo podem propiciar alterações da arcada dentária e distúrbios na fala. Embora o uso da chupeta tenha algumas indicações clínicas – como por exemplo para bebês com menos de 37 semanas que apresentam dificuldades para sugar o seio materno – esta deve ser ortodôntica.
Como solucionar: evite dar chupeta ao bebê. Caso seja necessário, utilize os modelos ortodônticos e procure a orientação de um profissional habilitado para treino de motricidade oral.
Dar mamadeira com açúcar: um dos principais problemas bucais nos bebês é a chamada cárie de mamadeira, que geralmente ocorre quando eles tomam leite ou outros alimentos (principalmente adoçados) antes de dormir e não recebem a higienização necessária. “Durante o sono, a criança diminui a produção de saliva e engole menos vezes, deixando o líquido parado sobre as superfícies dos dentes por um longo tempo. Isso permite às bactérias formar muito mais ácidos que atacam e destroem os dentes”, afirma o cirurgião-dentista Armando Rodrigues Filho, da Clínica Dentalpar (SP).
Como solucionar: nesse caso, o mais importante é mesmo a prevenção, com a correta higienização da boca, para evitar a formação das cáries. Nos bebês que ainda não possuem dentes, o correto é limpar a parte interna da boca e língua após cada mamada ou refeição com uma gaze umedecida em água filtrada, para remover restos de leite ou alimentos.

“O uso constante e prolongado de chupeta pode propiciar alterações da arcada dentária e na fala”

Pecados cometidos quando . . . criança
Comer balas e doces a todo momento: que criança é louca por doces todo mundo sabe. Mas é preciso que os pais orientem os filhos desde pequenos para uma alimentação saudável e a correta escovação. Só assim as crianças poderão evitar problemas de cáries causados pelo excesso de açúcar e até mesmo a perda precoce dos dentes.
Como solucionar: de acordo com o cirurgião-dentista Armando Rodrigues Filho, é fundamental a correta higiene oral dos dentes de leite, tentando preservá-los a todo o custo até á idade natural da troca de dentição. É essencial supervisionar a escovação dos filhos ou ajudá-los até que adquiram coordenação para realizar a atividade sozinhos.
Engolir pasta de dente: de tutti-fruti, morango ou uva, os sabores adocicados das pastas infantis atraem muito as crianças. Tanto é que muitas delas gostam até de “comer” o creme dental. “Vários estudos mostram que, até os sete anos de idade, as crianças chegam a ingerir 80% da pasta de dente usada numa escovação. Por isso, recomendamos que até esta faixa etária elas usem apenas cremes dentais com baixas concentrações de flúor”, explica Dr. Armando. Isso porque a fluorose, o excesso de flúor no organismo, pode levar a pequenas manchas brancas sobre o dente ou, em casos mais graves, enfraquecê-lo de tal forma que ele pode se quebrar com facilidade.
Como solucionar: usado sem excesso, o flúor fortifica o esmalte, formando uma espécie de capa protetora dos dentes. Além do creme dental, o mineral pode ser encontrado na água e em diversos alimentos, como chás, leite em pó e cereais. “A fluorose não se combate com o abandono do uso do flúor. A melhor forma na prevenção é ensinar ascrianças como fazer uma higiene bucal adequada e manter em dia as visitas ao dentista”, afirma o profissional. Ele lembra ainda que, quando o dente já está formado, tanto em crianças quanto em adultos, o flúor não representa nenhuma ameaça. Ao contrário: é um grande aliado.

“É preciso que os pais orientem os filhos desde pequenos para uma alimentação saudável e a correta escovação”

Pecados cometidos quando . . . adolescente
Roer unhas: chamada pelos profissionais de onicofagia, roer unhas pode ser resultado ou sintoma final de manifestações psicológicas do adolescente. Mas além de problemas emocionais, o hábito pode trazer consequências muito ruins à dentição. “A força exercida para roer as unhas pode alterar o posicionamento dos dentes, gerando ou agravando uma anomalia dentofacial ou problema ortodôntico, na linguagem popular”, explica o dentista Gerson Köhler, especialista em Ortodontia e Ortopedia Facial (PR).
Como solucionar: no caso de adolescentes, é preciso avaliar a necessidade de terapia para discutir questões emocionais que possam estar provocando ansiedade e, consequentemente, o hábito de roer unhas. Com relação à dentição, somente um dentista poderá indicar o tratamento adequado para corrigir os estragos já feitos.
Mascar chiclete em excesso: por conta da repetitividade de movimentos com a boca, o ato de mascar chiclete pode causar sensação de cansaço, fadiga e desconforto nos músculos da mastigação. “Além disso, os chicletes que contêm açúcar são potencialmente nocivos ao aumento da placa bacteriana bucal, com todas as consequentes ações deletérias sobre gengivas e dentes”, afirma o Dr. Gerson Köhler. O dentista Marcelo Fonseca ressalta, entretanto, que no caso dos chicletes sem açúcar não há contraindicação, já que o xilitol, presente em alguns deles, pode até mesmo auxiliar na inibição do crescimento do principal microorganismo causador da cárie.
Como solucionar: consumir apenas chicletes sem açúcar e de maneira moderada. Também é bom lembrar que é recomendado escovar os dentes sempre após ingerir a guloseima.
Mordiscar tampa de caneta: é muito comum flagrar um adolescente mordiscando a parte interna da bochecha ou a tampa de uma caneta. Esse hábito frequente (e que parece tão inofensivo), pode trazer estragos enormes para a saúde bucal do jovem. Afinal de contas, tal ação é extremamente nociva para a musculatura facial e as articulações temporomandibulares. Isso sem falar que o ato também provoca desgastes dentais e microfraturas.
Como solucionar: não há uma fórmula geral de tratamento para casos como este. Mas quando o problema estiver em níveis avançados poderá envolver o uso de aparelhos ortodônticos. Somente um profissional dará o diagnóstico e indicará o tratamento correto.
Abusar de sanduíches e refrigerantes: na explosão hormonal pela qual os adolescentes passam, ocorre uma maior procura por alimentos de alto valor calórico e não-nutritivos, como sanduíches, refrigerantes, balas, salgadinhos e biscoitos. Com isso, também é muito comum o aparecimento de cáries, já que a maior parte dos jovens não tem todo o cuidado necessário com a higiene bucal. “Os casos de cárie podem até mesmo se agravar se não se policiarem para realizar a escovação dental, pelo menos após as principais refeições, preconizando sempre o uso do fio dental”, diz Dr. Marcelo Fonseca. Se o adolescente utiliza aparelho ortodôntico, a exigência com a higiene oral deve ser redobrada.
Como solucionar: evitar ao máximo o consumo de junk food e seguir as orientações básicas dos dentistas, como escovar os dentes após se alimentar, usar fio dental e raspador de língua e procurar um dentista pelo menos duas vezes por ano.

Pecados cometidos quando . . . adulto
Vida agitada e estressada: o estresse, a correria e a agitação diária acarretam problemas para a saúde em geral e também para a boca. Um deles é o bruxismo, hábito de apertar ou ranger os dentes, especialmente durante o período de sono. O mal acarreta dores nas têmporas e na região da mandíbula, além de desgaste dos dentes e distúrbios da articulação mandibular.
Como solucionar: indica-se o uso de uma placa de mordida durante o sono. “Isso ajuda aliviar o estresse muscular, dores de cabeça e na articulação temporomandibular, porque a placa atua como um relaxante muscular, além de proteger os dentes dos desgastes causados pela fricção entre eles”, explica o dentista Maurício Querido (SP).
Cigarro: causa degradação dos materiais restauradores da boca, além de escurecer os dentes e gerar problemas gengivais severos. “E quando associado ao uso de bebidas alcoólicas constante é o principal fator do aparecimento do câncer de boca”, alerta o dentista Cristian Corrêa (SP).
Como solucionar: não há outro jeito senão abandonar o vício. Já para tratar o escurecimento, a recomendação é o clareamento a laser. No procedimento, os dentes recebem um gel à base de peróxido de hidrogênio que será ativado com um conjunto de luzes. Após a aplicação do laser, moléculas de oxigênio são liberadas e penetram na estrutura dentária, eliminando os pigmentos causadores das manchas.
Tomar vários cafezinhos: é um dos responsáveis pelo escurecimento dos dentes. Tomar diversas xícaras por dia também pode gerar cáries, pois raramente as pessoas escovam os dentes toda vez que bebem um café.
Como solucionar: o ideal é promover a escovação sempre que ingerir a bebida. Para quem desejar remover o aspecto escurecido causado pelo café, o clareamento caseiro é uma das indicações. Para realizá-lo, é preciso utilizar moldeiras de silicone específicas para a arcada dentária e um gel clareador. Peça orientação ao dentista para fazê-lo corretamente em casa.
Bebidas e alimentos muito ácidos: a acidez causa uma alteração na superfície do esmalte dental, deixando-a mais frágil.
Como solucionar: uma dica importante quando se faz uso de qualquer tipo de alimento ou bebida ácida é aguardar pelo menos meia hora para escovar os dentes. Quando a escovação é realizada logo em seguida à ingestão deste alimento ou bebida ácida, a superfície do esmalte fragilizada é “lixada”, deixando-a cada vez mais deformado e polido.

“O cafezinho é um dos responsáveis pelo escurecimento dos dentes”

Pecados cometidos quando . . . idoso
Deixar de se alimentar pela falta de dentes: comer uma maçã pode ser bem complicado para quem usa próteses móveis ou para quem tem a falta de um ou mais dentes. A perda parcial ou geral da dentição pode causar o desalinhamento e o desequilíbrio da mastigação, muitas vezes gerando problemas de articulação, dores musculares e de cabeça, segundo explica o dentista Maurício Querido,especialista em Implantodontia.
Como solucionar: a melhor solução para a perda de dentes é mesmo o implante dentário: suportes ou estruturas de metal posicionadas cirurgicamente no osso maxilar abaixo da gengiva e que permitem montar dentes substitutos sobre eles. “Por serem integrados ao osso, os implantes oferecem um suporte estável para os dentes artificiais. Dentaduras parciais e próteses montadas sobre implantes não escorregarão nem mudarão de posição na boca, um grande benefício durante a alimentação ou a fala”, explica a cirurgiã-dentista Flávia Rabello de Mattos, doutora em Implantodontia (RJ).
Não se prevenir do câncer de boca: o câncer na boca é bastante frequente em pessoas idosas e, muitas vezes, por não doer, só é detectado muito tarde. Por essa razão, é muito importante fazer a prevenção. A doença pode estar associada ao estilo de vida da pessoa, à hereditariedade, a agentes biológicos como HIV e HPV e a traumas, como por exemplo uma prótese mal adaptada ou dentes quebrados.
Como solucionar: segundo a Dra. Flávia Rabello de Mattos, o sinal de alerta é a presença de feridas que não cicatrizam em duas semanas. Ela ensina a fazer um autoexame pelo menos uma vez por mês. Na frente do espelho, em local bem iluminado e após realizar a limpeza da boca e das mãos, remova as próteses móveis e avalie a presença de feridas. No caso de detectar algo suspeito, procure um dentista.
Não tratar o mau hálito: é bastante constrangedor conviver com uma pessoa que tem mau hálito e, o pior, muitas vezes nem sabe que tem. O problema pode ser uma consequência da periodontite, doença que causa a reabsorção do osso alveolar e pode levar à perda do dente. “Quando há o comprometimento ósseo, formam-se as bolsas periodontais, com inflamação dos tecidos, onde se concentram e proliferam bactérias que se alimentam dentre outros substratos, de proteínas do sulco gengival, da saliva e de carboidratos. Essas bactérias se decompõem ocasionando cheiros muito desagradáveis”, explica a Dra. Flávia.
Como solucionar: as doenças periodontais são tratadas através do controle da infecção e da remoção da placa que contém os germes nocivos. Para isso, pode-se fazer a raspagem, retirada da placa endurecida (tártaro), de tecidos de granulação e toxinas da gengiva. Já o alisamento da raiz do dente elimina pontos de acúmulo de germes, permitindo que a gengiva fique mais aderida ao dente. Outra alternativa é o uso de um líquido para higiene bucal e antibióticos, prescritos pelo dentista, é claro.