hidratação
Pele protegida no inverno
15 de junho de 2016
Corrida de inverno
17 de junho de 2016
Mostrar Todos

Prótese de silicone com chip!

mamas

Com maior elasticidade e, ao mesmo tempo, maior resistência à ruptura, as novas próteses mamárias prometem uma série de benefícios desde a colocação até o aspecto visual

prótese de mama

Próteses podem ser auxiliares no diagnóstico de alterações inflamatórias

Está para ser lançada no Brasil uma nova tecnologia em implantes de mama que já vem sendo usada e estudada na Europa desde 2013, com milhares de implantes já colocados, em acompanhamento e com ótimos resultados até o momento. Estes implantes têm como principais características maior elasticidade e resistência à ruptura, uma camada interna que serve como barreira específica contra o vazamento do gel e superfícies com textura delicada, confeccionada através de nanotecnologia. A soma destas características facilita a colocação dos implantes, o que possibilita incisões menores para sua colocação, assim como menores índices de contratura capsular e um aspecto visual e tátil, mais naturais.

Com a mais avançada tecnologia, o grande diferencial desses implantes é um microchip interno – mais especificamente um transponder de identificação por radiofrequência biocompatível, que permite a identificação de informações sobre o implante de forma simples e precisa. No próprio consultório, através de um leitor que, ao ser aproximado ao implante, mostra a sua sequência numérica. Isso traz muitos benefícios como, por exemplo, saber quantos ml de silicone possui a prótese inserida naquela mama, o que é de extrema importância na programação de um procedimento de troca ou aumento.

A previsão é de que essa tecnologia esteja disponível no país no início do ano que vem, segundo a Establishment Labs, fabricante dos implantes. “E a evolução desse chip já está em andamento, e será a medição de outros parâmetros, como temperatura e pressão, que podem ser auxiliares no diagnóstico de alterações inflamatórias ou infecciosas nos locais operados”, explica a cirurgiã Hazel Fischdick, que, nos últimos anos, trabalhou ao lado do professor Ivo Pitanguy, sendo responsável pelas cirurgias de grande parte de seus pacientes.