Curvas de Verão!
13 de outubro de 2014
Dieta do Bisturi
14 de outubro de 2014
Mostrar Todos

Juliana Silveira, Um desafio e tanto…

Assim podemos definir o atual trabalho de Juliana Silveira na novela Vitória, da Rede Record. Vivendo a neonazista Priscila, ela mostra que ser dona de um rosto angelical não é empecilho para viver uma vilã.

Por Malu Bonetto

Juliana Silveira

Para compor a neonazista Priscila, líder de um grupo que persegue homossexuais, nordestinos e negros, a atriz Juliana Silveira, 34 anos, assistiu a diversas palestras sobre a Segunda Guerra Mundial e nazismo, mas é em cima do texto da autora que ela compõe melhor a personagem. “Acho que a Priscila é o tipo de personagem que vem para surpreender, quando você acha que já entendeu tudo sobre ela, a autora vem e te pega de surpresa. Tudo pode e a Priscila não tem limites.” Enquanto sua personagem é a imagem do preconceito, Juliana Silveira luta justamente pelo oposto disso na vida real. “O diálogo e o respeito são fundamentais para que a gente chegue a um acordo e para que possamos aceitar e ver beleza no que é diferente. E isso a gente adquire através da educação. É isso que quero passar para o meu filho”, comenta Juliana, referindo-se ao filho Bento, que está com 3 anos.

Dona de curvas invejáveis, a loira conta que em função das gravações não consegue mais fazer pilates três vezes por semana e correr na esteira. Mas para manter os 55 kg bem distribuídos em 1,63 m de altura, ela optou por fechar a boca. “Cortei o glúten da dieta e também deixo os doces que eu amo para a época da TPM.” Para manter a beleza do rosto, Juliana Silveira faz limpeza de pele mensalmente e faz semanalmente máscaras de argila verde.

Quando o assunto é cirurgia Plástica…

Enquanto algumas mulheres sonham em encarar o bisturi, Juliana Silveira diz que não suporta a ideia de ter de passar por uma cirurgia sem ser por motivos de saúde. “Acho mais bacana investir o dinheiro em terapia para trabalhar a autoestima, as questões emocionais que vão aparecendo. Acho que a gente tem que se aceitar, com as nossas qualidades e defeitos”, opina.