maquiagem natural
Aposte no make “nada”
14 de abril de 2016
Tratamento Loreal
Moléculas duradouras!
20 de abril de 2016

A agenda cheia de compromissos e a pressa para obter resultados satisfatórios tem levado muita gente a aderir ao treino intensivo de curta duração, método de exercícios que antes era muito utilizado apenas por atletas

Se a falta de tempo era a desculpa que você usava para não ir à academia, saiba que agora ela não faz mais sentido. Cada vez mais comum, o treinamento funcional de curta duração é uma excelente pedida para quem tem o dia a dia corrido.

Com um olhar atento para esse público apressadinho, a rede de academias Bodytech, reformulou o programa Express e lançou um circuito com duração de 35 minutos que pode ser realizado em grupos de até cinco pessoas. “É praticamente impossível alguém não ter 30 minutos para se dedicar à atividade física, mesmo com a agenda corrida e a falta de tempo. O treino pode ser encaixado na agenda como se fosse uma reunião”, afirma Eduardo Neto, diretor técnico da Bodytech (SP). A aula de curta duração é uma maneira mais eficaz de entrar no mundo fitness, se adaptar ao ritmo do treino, conhecer novas pessoas e se integrar a uma nova tribo. Os benefícios são sentidos de dentro pra fora. O bacana é que qualquer pessoa pode se aventurar nessa modalidade, já que a aula é adaptada para o condicionamento físico de cada aluno, do iniciante ao avançado.

O treino apresentado pela rede é dividido em quatro etapas:

  1. Aquecimento: ajuda a ter mobilidade, estabilidade nas articulações e nos segmentos do corpo. É importante realizar os movimentos de maneira lenta e controlada, aumentando a amplitude a cada repetição. O tempo da estação e o número de repetições dos exercícios são pré-determinados, e a cada aula o aluno deve realizar a maior quantidade de repetições com a melhor execução. No decorrer do tempo os movimentos e as cargas devem ser adaptadas.
  2. Força: exercícios multiarticulares com pesos livres para promover maior funcionalidade, gasto energético e economia de tempo. A intensidade é determinada por faixas de grupos musculares. Formato: bi-set, tri-set (onde o foco é aumentar a massa muscular), ‘puxa-empurra’, sempre alternado por segmento. Os exercícios são variados de acordo com a sessão de treino, para não ficar monótono. As estratégias para ter maior desempenho são: aumentar a velocidade de execução ou reduzir o intervalo entre os exercícios.
  3. HIIT: pode ser praticado durante o treino na esteira, bicicleta, transporte com exercícios que utilizam o peso do corpo. A prescrição é por tempo e o objetivo é realizar a maior distância possível com o mesmo número de repetições. A estação pode ser realizada antes, depois ou em circuito com os exercícios de força. O intuito é apresentar a maior variação possível.
  4. Desafio: a proposta é realizar até três exercícios integrados que compreendam movimentos dos membros inferiores e superiores simultaneamente semelhantes às atividades cotidianas ou desportivas. Número de séries, repetições e carga são determinados pelo educador físico. Realizar os exercícios em menor tempo e melhorar o desempenho com aumento da velocidade de execução e a redução do intervalo entre as séries.