musculação
Musculação: mitos e verdades
10 de junho de 2016
Jacqueline Sato
14 de junho de 2016

O shake pode ser um bom aliado para quem deseja emagrecer, mas deve-se seguir um plano alimentar adequado para não colocar a saúde em risco

Emagrecer com saúde não se trata apenas de mudar os números na balança, para que o objetivo seja alcançado de maneira eficiente é preciso fazer mudanças no estilo de vida e principalmente nos hábitos alimentares. Dietas passageiras e extremamente radicais podem levar ao “falso emagrecimento”, quando na verdade perde-se mais líquido ou tecido muscular ao invés de gordura. Além disso, aumentam as chances do efeito sanfona: quando se recupera todo ou até mais do peso perdido.

De acordo com a nutricionista Sinara Menezes, da Nature Center, “a abstinência prolongada de alimentos pode fazer com que o corpo acabe estocando mais gordura na próxima refeição, uma vez que entende que enfrenta um período de escassez de alimentos. Além disso, com a queda brusca da oferta de energia, o corpo pode acabar consumindo o próprio tecido muscular, reduzindo a massa corporal e afetando o metabolismo.

As dietas saudáveis que visam o emagrecimento devem, ao mesmo tempo, reduzir a ingestão calórica diária e garantir que os nutrientes essenciais para manutenção da saúde sejam supridos. Uma dieta balanceada ao longo do dia auxilia no controle da ingestão de calorias e também evita a fome repentina, que leva aos exageros na alimentação. “Os shakes substitutos de refeição podem ser uma opção prática para reduzir a quantidade de calorias ingeridas em uma refeição, desde que sejam capazes de oferecer o aporte nutricional adequado”, explica Sinara Menezes.

Necessidades nutricionais diárias

Para ser considerada saudável, uma dieta deve oferecer nutrientes essenciais aos cuidados da saúde a fim de preservar o bom funcionamento do organismo:

moça comendo

Um importante fator a esclarecer é que nenhuma outra fonte de nutrientes é tão completa quanto uma alimentação balanceada

Carboidratos: muitas vezes considerado o vilão das dietas, o carboidrato é um alimento obrigatório na alimentação diária. Ao contrário do que muitos pensam, restringir seu consumo não leva a perda de peso qualificada, uma vez que, na ausência de energia provida pela sua ingestão, mais gorduras serão estocadas. Por isso, eliminá-lo da dieta pode ser tão prejudicial quanto comê-lo em excesso. O ideal é que seu consumo seja feito de forma equilibrada, a fim de prover energia sem acarretar no ganho de peso.

Proteínas: outra fonte de energia para o corpo, proteínas são essenciais para a construção da massa muscular. Sem elas, o crescimento fica prejudicado e o sistema imunológico comprometido. Fontes de fibras também auxiliam na sensação de saciedade. O equilíbrio desse nutriente também é essencial, pois seu excesso pode causar danos aos rins. Mais um motivo pelo qual dietas baseadas em um único grupo alimentar devem ser evitadas.

Gorduras: ao contrário do que muitos pensam a gordura também é importante para saúde, sendo inclusive necessária em alguns processos. Sem ela, a absorção de nutrientes e vitaminas fica prejudicada. As chamadas “gorduras boas” devem fazer parte da dieta, pois possuem propriedades antioxidantes que combatem a degeneração celular. Assim como os carboidratos, fornecem e energia. Porém seu consumo deve ser cuidadosamente equilibrado, afim de não causar ganho de peso e outros males à saúde.

Vitaminas: de importância indiscutível, esses nutrientes desempenham funções especificas no fortalecimento da saúde. As vitaminas do complexo B e a vitamina C estão entre as hidrossolúveis, ou seja, são eliminadas pelo organismo através da urina quando não são aproveitadas. Como o organismo não estoca essas vitaminas, é preciso adquiri-las diariamente através da alimentação. As vitaminas lipossolúveis (solúveis em gordura) como as vitaminas A, D, E e K, também são indispensáveis no cardápio;

Minerais: nutrientes essenciais na manutenção de diversas estruturas do corpo. Cálcio, Ferro, Zinco e Magnésio são fundamentais na ativação de várias funções enzimáticas do organismo.

Dieta do shake: opção segura?

Bastante populares, os shakes substitutos de refeição, são oferecidos como uma alternativa para o emagrecimento rápido. Porém, uma das principais dúvidas em relação ao seu uso é se esses produtos são suficientemente nutritivos a ponto de substituir uma refeição. O primeiro fator a esclarecer é que nenhuma outra fonte de nutrientes é tão completa quanto uma alimentação balanceada, porém, em dietas que visam a redução da ingestão calórica de maneira prática e por um determinado período, os shakes são uma opção confiável. A eficácia e segurança do uso desse e de qualquer outro complemento alimentar se dá pela correta utilização e, principalmente, a devida supervisão de um nutricionista “Escolher produtos por conta própria e incluí-los sem o apoio de uma reeducação alimentar aumenta os riscos para a saúde. Somente um profissional poderá indicar o produto com o aporte nutricional de acordo com as necessidades do indivíduo, além de elaborar um plano de dieta complementar.”

Para que a perda de peso seja permanente, a ingestão dessas bebidas deve fazer parte de uma reeducação alimentar. “Não adianta substituir o almoço pelo shake e comer fast food à noite, por exemplo. O uso desses produtos deve ter um apoio de um plano alimentar saudável, com refeições completas e balanceadas”, explica Sinara Menezes. Isso significa que não basta inserir a bebida no cardápio, outros cuidados com a alimentação devem ser tomados para não sofrer com desnutrição ou até mesmo com uma hipovitaminose.

emagrecimento

O uso de shakes deve seguir um plano de alimentação, sem deixar a saúde de lado

Conforme aponta a profissional, deve-se adotar a regra de comer a cada 3 horas, fazendo 6 refeições saudáveis ao dia (3 principais: café da manhã, almoço e jantar, e 3 pequenos lanches intermediários). Dessa forma, o organismo mantém-se saciado, mesmo com a queda da ingestão calórica. Outro ponto importante é que o produto escolhido deve ter o suporte de nutrientes, principalmente fibras, que ajudam a aumentar a sensação de saciedade e reduzir o apetite. Deve-se atentar à quantidade de carboidratos e dar preferência para as bebidas com baixo ou nenhum teor de açúcar.

Além disso, os shakes devem ser um aliado temporário “A alimentação normal é indispensável, além de estimular diversas funções orgânicas, comer também é um ato social e prazeroso. Fazer uso prolongado ou definitivo não é saudável e muito menos recomendável, sem mencionar que a alimentação se torna monótona. Por isso é indispensável o acompanhamento profissional e a reeducação alimentar, a fim de garantir que a pessoa consiga manter o peso após o fim da dieta e, principalmente, para determinar quando a ingestão do shake já não é mais necessária.”

O shake pode substituir qualquer refeição?

Para uma dieta de emagrecimento, o ideal é que o shake substitua ao menos uma refeição principal, de acordo com a dieta e as preferências do indivíduo “Existem pessoas que tem não tem apetite ao acordar e acabam pulando o café da manhã. Neste caso, substituir essa refeição pelo shake é uma boa alternativa para suprir os nutrientes necessários de uma forma prática e rápida. Já aquelas que têm dificuldade de fazer uma refeição completa à noite, também podem fazer essa substituição. Tudo depende do estilo de vida e das preferências alimentares individuais. Porém, essas substituições nunca devem ultrapassar o limite de duas refeições ao dia.” – explica a nutricionista. Além disso, a princípio, é recomendável que o uso do shake seja acompanhado por algum alimento sólido, como uma fruta ou uma salada, que estimulem a mastigação, que ativa mecanismos no cérebro responsáveis pela saciedade.

Qualquer pessoa pode tomar?

Assim como qualquer produto suplementar ou complementar da alimentação, seu uso deve ser acompanhado por um profissional especializado. Por reduzir a ingestão calórica, crianças, adolescentes, gestantes e nutrizes não devem fazer uso de shakes, uma vez que precisam de um aporte nutricional e calórico maior. Além disso, possíveis restrições alimentares podem impedir o uso de determinados produtos: muitos deles contêm ingredientes como glúten ou lactose. Nesses casos, produtos específicos, podem ser recomendados por um nutricionista. Pessoas com deficiências nutricionais ou problemas crônicos também devem evitar esse tipo de alimento, pois acabam influenciando na saúde como um todo. Por isso é imprescindível o acompanhamento profissional em qualquer dieta.