Pernas lindas no verão
28 de outubro de 2010
Celulite: novas regras de combate!
29 de outubro de 2010
Mostrar Todos

Botox topa-tudo

Ele ficou famoso pelo estica-e-puxa, que acabava de vez com as rugas. Mas a toxina botulínica é muito mais do que isso. Além do seu uso cosmético, ela pode tratar até doenças, como o suor excessivo. Entre outras coisinhas…

Por Rosina Silva

É só falar a palavra Botox que, rapidamente, vem à mente a imagem das artistas de Hollywood, todas elas lindas e com os rostos bem esticadinhos, sem nenhuma ruga aparente. Realmente, não dá para desvincular esse estereótipo tão marcante. Mas saiba que a toxina botulínica tipo A foi criada, há 20 anos, para fins terapêuticos e, não, estéticos, como a maioria das pessoas pensam. Ela fez o caminho inverso. Primeiro, ficou conhecida no mundo como um tipo de “fonte da juventude” para, só depois, nos atentarmos para as suas aplicações na área da saúde. O uso do produto foi liberado em 1989 pelo FDA – Food and Drug Administration (órgão americano que fiscaliza os medicamentos), como uma alternativa não-cirúrgica para tratar o estrabismo. No Brasil, ele chegou em 1992, quando foi autorizado para o tratamento de estrabismo e distonia (que provoca contrações involuntárias da musculatura). Com o tempo, novas descobertas foram surgindo. E hoje a toxina botulínica tem inúmeras aplicações. Vamos conhecê-las!

DE OLHOS BEM ABERTOS
Quer deixar seu olhar mais evidente e sensual? Então, já para o consultório. A toxina botulínica, quando aplicada nos músculos corrugadores da sobrancelha, prócero do nariz e orbicular dos olhos – todos responsáveis pelo ato de fechar os olhos -, diminuem o efeito depressor que eles têm sobre as sobrancelhas, aumentando a abertura dos olhos. “A toxina botulínica age paralisando a musculatura dessa região e, com isso, os músculos frontais acabam retraindo a sobrancelha. Ela se eleva, dando um ar muito mais jovial ao rosto”, explica a dermatologista Mônica Linhares, Espaço Saúde Rio (RJ). Cada ponto de aplicação age em um raio de um centímetro.
Indicação: pessoas que possuem olhos muito pequenos, especialmente as orientais. “É muito solicitada por japoneses, coreanos e chineses. Até existe uma técnica pela qual se injeta a toxina bem na pálpebra para abrir os olhos dos asiáticos”, comenta o cirurgião plástico, Maurício de Maio (SP).
Atenção: não é aconselhável para quem já se submeteu à blefaroplastia (cirurgia nas pálpebras) pelo risco de deixar os olhos exageradamente expostos, o que pode acarretar em danos pela secura e irritação local.

OLHA O DECOTE!
A temporada das blusas decotadas está chegando e um colo cheio de rugas é capaz de arruinar qualquer produção. Para atenuá-las, adivinhe? Toxina botulínica! A aplicação é feita entre os músculos peitorais (exatamente entre os seios) e no músculo platisma (na região do pescoço). Em média, são 15 injeções superficiais na região do colo, com distância de aproximadamente dois centímetros entre os pontos. Isso é suficiente para que os músculos da região relaxem, e as linhas da área  V se atenuem. Podem ser combinado a outros tratamentos de fotoenvelhecimento para tratar aquelas rugas mais profundas.
Indicação: para pacientes que possuem rugas em formação no colo. “No entanto, pacientes que apresentem rugas profundas e pele com fotoenvelhecimento (muito marca pelo sol) não têm resultados tão satisfatórios”, alerta a dermatologista Ana Roberta Figueiredo (CE). Também é recomendado para pessoas que já tentaram outros métodos, como laser, mas não tiveram sucesso.
Atenção: se aplicado de maneira errada, pode comprometer seriamente o movimento dos braços e das mãos.

SORRISO ALINHADO
Se você nunca escutou aquela frase: que sorriso bonito, uma das razões pode ser o fato da sua gengiva estar chamando mais a atenção que qualquer outra coisa. Em foto, geralmente, se percebe mais esse tipo de defeito. A correção, no entanto, pode ser mais fácil (e indolor) do que se imagina. Há duas maneiras de se aplicar a toxina para este caso: nos músculos elevadores do lábio superior, ou nos músculos depressores do septo nasal. Ao relaxar a musculatura, quando o paciente sorri, a gengiva não fica tão à mostra.
Indicação: para pacientes que tem uma hipertrofia vertical da máxima, ou seja, que, ao sorrir, mostram demais as gengivas.
Atenção: quando passa da conta, pode causar assimetrias e queda do lábio, resultando no sorriso tipo “Coringa”.

NARIZ DE PRINCESA
Quem nunca sonhou com aquele narizinho perfeito e empinado? É o sonho de qualquer menina e, porque não dizer, de qualquer mulher. Ele é a moldura do rosto e qualquer mudança aí dá uma baita diferença na expressão. Nesse caso, a toxina botulínica é aplicada nos músculos abaixo da ponta do nariz. As picadas acontecem em dois pontos na região inferior, um de cada lado do septo nasal, conta o dermatologista Daniel Coimbra, clínica Beauty Laser (RJ). A toxina botulínica age relaxando o músculo que puxa a ponta do nariz para baixo. “Ao contrário do que muita gente imagina, a toxina não empina o nariz em repouso. Ela apenas evita que ele desça ao falar”, atenta a médica Marisol Nunes, da clínica de estética Deep Laser (SP).
Indicação: pacientes com a ponta do nariz caída. Quem já se submeteu à cirurgia plástica na narina também pode realizar.
Atenção: não é possível “elevar” a ponta do nariz com toxina botulínica, quando ela não se modifica ao falar ou sorrir. Em casos assim, só os preenchedores e a cirurgia plástica resolvem.

PANTURRILHA TORNEADA
Panturilhas bem contornadas causam fascínio nos homens. Acrescente um salto alto, que deixam as pernas ainda mais alongadas, e pronto: sucesso na certa! A toxina botulínica, neste caso, é injetada nos músculos gastrocnêmios medial e lateral (os da “batata da perna”), afinando a região. Com isso, consegue-se um desenho mais bonito da panturrilha. Normalmente, neste tipo de aplicação, é preciso uma quantidade maior de toxina do que as utilizadas em tratamentos faciais.
Indicação: mulheres que se queixam de pouco volume ou da falta de definição das batatas da perna.
Atenção: se manipulado de forma errada, pode causar distúrbios de preambulação, ou seja, impede o ato de caminhar.

DEZ ANOS MAIS JOVEM
O uso da toxina botulínica para o rejuvenescimento facial é um dos mais conhecidos. Na verdade, a sua fama vem daí. O produto caiu nas graças das famosas, e nós, que não somos bobas, pegamos carona nos milagres do estica-e-puxa. A aplicação é feita nos músculos expressores da face, na região frontal (testa), glabelar (entre os olhos), periorbicular (ao redor dos olhos), e também no canto da boca, e na ponta do nariz. Com esses músculos paralisados, para-se de mexer as áreas, que devido ao excesso de expressão facial, acaba por ser marcada. “A toxina botulínica vai reeducar a maneira com que os músculos se contraem e não, simplesmente, gerar pessoas sem expressão. O que resultará em flacidez no futuro. Os pacientes devem saber que a região frontal (testa) deve ser tratada com as menores doses possíveis e que em aproximadamente dois meses é fundamental que essa área adquira movimentação”, adverte odermatologista Daniel Coimbra.
Indicação: mulheres que estão em busca de um rejuvenescimento natural, sem precisar recorrer a uma cirurgia plástica. Também é aconselhável para  aquelas que pretendem se prevenir da formação de linhas de expressão.
Atenção: se aplicado de forma errada, pode causar assimetrias severas.

MOLDURA DOS OLHOS
Ninguém contesta: a sobrancelha é capaz de mudar uma mulher. É só ver aqueles programas de transformações para perceber o quanto o desenho das sobrancelhas podem mudar a expressão da pessoa, ou até mesmo rejuvenescer. Sabe aquele olhar triste, caído… A mulher pode estar o mais feliz da vida, que nunca vai transmitir isso pelo olhar, por causa das sobrancelhas caídas. A solução? Arqueá-las! O dermatologista ou cirurgião plástico aplica, na região frontal, acima das sobrancelhas, uma quantidade maior do produto e na região lateral, uma, menor. “Ela arqueia de acordo com o princípio de ação e reação; relaxando a região inferior do músculo frontal, e contraindo a superior”, diz o cirurgião plástico Marcelo Assis (SP).
Indicação: pessoas que possuem sobrancelhas baixas, devido à forte musculatura, ou que tenham alguma assimetria entre elas.
Atenção: quem já possui as sobrancelhas muito arqueadas, cuidado para não ressaltá-las mais. Outra observação é que, se aplicada de forma errada, pode causar um olhar do tipo “diabólico” com elevação excessiva da calda da sobrancelha.

MÃOS SECAS
Nada mais desagradável do que dar a mão a uma pessoa e sentir aquele suor. Imagine, então, o quanto deve ser constrangedor para quem convive com esse “problema”. Conhecida como hiperidrose, esta doença é caracterizada pela produção excessiva de suor, devido à hiperatividade das glândulas sudoríparas. Primeiro, realiza-se um teste para ver quais áreas das mãos suam mais. “Ele é feito com lodo e amido para evidenciar exatamente os locais de maior atividade das glândulas”, conta a Dra. Mônica Linhares. Depois, são perfurados numerosos pontos, com distância de aproximadamente 1,5 cm. O produto faz uma contração das glândulas sudoríparas, inibindo a produção exagerada de suor.
Indicação: para portadores de hiperidrose palmar.
Atenção: apesar de não ser comum, os pacientes podem sentir uma reducão da força da mão nos primeiros dias após o procedimento. Se a dose passar da conta, a fraqueza pode
ser ainda mais severa, impedindo atividades diárias, como escrever ou segurar um copo. Em alguns casos, o suor é tão intenso que a toxina botulínica não funciona. Para esses casos, são recomendados medicamentos ou cirurgia.

A toxina botulínica chegou ao Brasil em 1992 e conquistou milhares de adeptos. Hoje, seu uso vai além do rejuvenescimento, podendo – até mesmo -, deixar o colo mais bonito.

Como funciona
A toxina botulínica do tipo A, que é comercializada ao redor do mundo com os nomes de Botox, Dysport, Prosigne, Neuronox e Xeomin, quando aplicada diretamente nos músculos, promove um relaxamento temporário, minimizando as contrações involuntárias e a rigidez excessiva. “Sua ação começa após 48 horas da sua aplicação. O resultado dura, em média, cerca de seis meses”, comenta a dermatologista Angela Mercado, da clínica Benleve (RJ). O procedimento dispensa anestesia – exceto a tópica, que é aplicada sobre a pele. O valor da aplicação pode variar de R$ 300 a R$ 2 mil, dependendo da região.