Pronta para a cirurgia plástica?
24 de setembro de 2010
Sinal verde para sorrir
27 de setembro de 2010
Mostrar Todos

10 tratamentos revolucionários contra estrias

Tratamento para deletar essas linhas é o que não falta. O negócio é saber se ele combina com a sua agenda, seu bolso e sua sensibilidade à dor. Para não ter dúvida, a gente entrega a ficha completa das 10 técnicas mais eficazes
Por Shâmia Salem

Que mulher gosta de se olhar no espelho e ver algumas maltraçadas linhas em sua silhueta que entregam um pouco da sua história de vida? Nenhuma! A nossa vivência ao longo dos anos tem de ser contada por nós mesmas e deve ser guardada na nossa memória – e não na nossa pele! “Mas de onde vem esse paralelo?”, você deve estar se perguntando. Simples, das estrias! Essas linhas esbranquiçadas dizem muito sobre a vida de quaquer pessoa. Ela entrega, por exemplo, se você cresceu rapidamente na puberdade, engordou muito de uma hora para a outra, virou mãe ou deu uma baita turbinada nos seios com próteses de silicone. “Em todas essas situações a pele é tão estirada que acaba rompendo e fazendo surgir as tais linhas”, diz o dermatologista Rogério Tércio Ranulfo (GO).
E o relato da sua história não para por aí. A cor da estria também revela quando ela apareceu na sua vida. “As recentes são avermelhadas porque ainda têm grande quantidade de vasos sanguíneos e extravasamento de hemácias devido ao estiramento abrupto da pele. Com o passar do tempo esses vasos tornam-se cada vez mais escassos e as células sanguíneas vão sendo reabsorvidas pelo organismo, tornando as estrias esbranquiçadas”, explica a dermatologista Fernanda Casagrande (RS). Isso também ajuda a entender porque os tratamentos para as estrias novas são mais light e respondem mais rápido do que os para as marcas antigas. Mas nada de ficar triste! Graças aos avanços da medicina estética, existem técnicas eficazes para amenizar as estrias de todos os tipos, novas ou antigas. E para ajudá-la nessa luta, selecionamos as melhores e explicamos tim-tim por tim-tim como elas funcionam e até que ponto são realmente eficientes. Com a ajuda desses procedimentos, temos certeza que você vai voltar a se sentir bem dentro da própria pele.

ESTRIAS RECENTES
São aquelas que têm uma coloração mais avermelhada, já que ocorreu o extravasamento de hemácias devido ao estiramento abrupto da pele. Os tratamentos estéticos tendem a ser mais eficientes nesses caso.

Tripolar
O que é: trata-se de um aparelho de radiofrequência que aquece as camadas superficial e profunda da pele. “Com isso, não só provoca a produção e a contração do colágeno, afinando as estrias, como estimula a circulação sanguínea e aquece as células de gordura, reduzindo o tamanho delas”, explica a dermatologista Daniela Nunes, diretora médica da Slim Clinique (RJ). O lado bom: além de não doer, o tratamento realizado com o Tripolar ameniza de 70% a 80% das estrias e reduz a flacidez cutânea e a celulite leve à moderada.
Resultado: aparece a partir da segunda aplicação.
Fique esperta: a região tratada costuma ficar quente e vermelha por duas a quatro horas após a sessão. Por isso, evite tomar sol e usar roupas justas, para não agredir a pele.
Número de sessões: de quatro a seis, em média, com intervalo de uma semana entre cada uma delas.

Cromosystem
O que é: “Aparelho que possui lâmpadas coloridas que têm ação anti-inflamatória e recuperam as células ‘doentes’ da pele, amenizando, assim, as estrias”, diz a esteticista Nilza Bittencourt, da Clínica Stag (SP). Para finalizar, é feito um peeling de ácido glicólico para renovar a camada cutânea.
O lado bom: ideal para quem busca técnicas pouco invasivas.
Resultado: começa a ser notado na segunda sessão.
Fique esperta: pode relaxar, porque a aplicação desse tratamento não dói nadinha. Palavra dos especialistas!
Número de sessões: dez, sendo uma por semana.

Luz intensa pulsada
O que é: a energia atua em duas frentes: contrai a pele e, com isso, aproxima as bordas e afina as estrias, e reduz os vasos dilatados, que dão o aspecto avermelhado às linhas.
O lado bom: “Quinze dias depois da primeira sessão já é possível notar uma melhora significativa da pele”, garante a dermatologista Fernanda Casagrande.
Resultado: segundo a especialista, é possível apagar até 100% das estrias recentes.
Fique esperta: o procedimento é ineficaz em estrias antigas e
é contraindicado para pele negra sob o risco de manchar.
Número de sessões: de três a cinco, com intervalo de 15 dias para a aplicação de cada uma delas.

Peelings combinados
O que é: tudo começa com o peeling de cristal, feito com um equipamento que lembra uma caneta e emite jatos extremamente finos de cristais de óxido de alumínio. A intenção? Remover as células mortas da pele e estimular a produção do colágeno. Em seguida, é passado o peeling de ácido retinoico, que a mulher deve retirar em casa, após oito horas, ou então o peeling de ácido glicólico, que é removido na sequência, no consultório.
O lado bom: ganha pela praticidade de, na mesma sessão e com a mesma técnica, tratar estrias recentes e antigas.
Resultado: melhora de 70% as antigas e até 90% as recentes.
Fique esperta: como a pele fica sensível por algumas horas, evite usar jeans ou roupas justas depois do tratamento.
Número de sessões: dez, sendo uma a cada 15 dias.

Striat
O que é: aparelho que tem a forma de uma caneta com uma pequena agulha na ponta que emite corrente contínua. “O acessório é passado em movimentos de vaivém para descolar a pele na região da estria. Tudo com a intenção de provocar um processo inflamatório para que o tecido produza uma quantidade maior de colágeno para se regenerar”, esclarece a dermatologista Fernanda Tassara.
O lado bom: o melhor efeito é conquistado nos seios.
Resultado: pode chegar até o completo desaparecimento das lesões quando elas ainda estão em estágio inicial.
Fique esperta: Para o procedimento ser mais tranquilo, chegue ao consultório meia hora antes para aplicar creme anestésico.
Número de sessões: dez, sendo uma por semana.

Cromopeel
O que é: tratamento que associa três ácidos – lático, salicílico e acetato de resorcinol – para descamar a pele, que se sente obrigada a produzir novas células rapidamente e aumentar a produção de colágeno e elastina para se recuperar da agressão.
O lado bom: o procedimento não arde, não coça nem dói.
Resultado: começa a aparecer por volta do segundo mês.
Fique esperta: prepare-se para se esconder do sol durante todo o tratamento e usar apenas hidratante manipulado prescrito pelo médico, para não ter irritação.
Número de sessões: quinze, com intervalo de duas semanas entre a aplicação de cada uma delas.

ESTRIAS ANTIGAS
São as que apresentam o tom esbranquiçado. Isso ocorre porque os vasos tornam-se cada vez mais escassos e as células sanguíneas são reabsorvidas

Fraxel Dual
O que é: aparelho de laser tem duas ponteiras: primeiro, é usada a de Érbium para estimular a produção de colágeno e a retração das fibras já existentes e, na sequência, a de Thulium, com poder de melhorar a textura cutânea e clarear as estrias.
O lado bom: pode ser feita em qualquer tipo de pele.
Resultado: ao fim do tratamento há uma redução na espessura e no comprimento das estrias de até 80%.
Fique esperta: apesar da dor da aplicação ser amenizada pela pomada anestésica, o calor do laser deixa a área tratada vermelha e sensível por algumas horas. Depois, a textura fica áspera e começa a descamação, que dura alguns dias.
Número de sessões: de três a seis, com intervalo mensal.

Transcisão
O que é: “Com uma agulha especial é feita uma ruptura na camada média da pele para que ela aumente a produção de colágeno para se regenerar e, com isso, apagar a estria”, conta o criador da técnica, o dermatologista Rogério Tércio Ranulfo.
O lado bom: usa anestesia tópica e injetável para zerar a dor.
Resultado: depois de 18 meses, quando se torna imperceptível.
Fique esperta: para não ganhar manchas, evite o sol durante o tratamento, e remova o curativo após sete dias.
Número de sessões: de três a cinco, com intervalo de seis a oito semanas entre a aplicação de cada uma delas.

Laser de CO2 fracionado
O que é: os feixes de luz disparados pelo equipamento exatamente em cima da estria penetram na pele, a cerca de um milímetro de profundidade, e ali estimulam o colágeno. A vantagem da energia ser fracionada é que ela preserva boa parte das células do local tratado, o que agiliza o processo de cicatrização.
O lado bom: o laser fracionado aumenta a produção de elastina.
Resultado: a melhora pode chegar a 50%.
Fique esperta: o calor do laser incomoda, mesmo com o resfriamento da pele feita pela ponta do aparelho.
Número de sessões: cinco, sendo uma a cada 30 dias.

Carboxiterapia
O que é: o equipamento traz uma agulha que injeta gás carbônico na camada superficial da pele para promover a vasodilatação e turbinar a produção de colágeno.
O lado bom: a sessão não dura mais do que 15 minutos.
Resultado: no segundo mês há melhora 60% das estrias.
Fique esperta: peça para o médico usar pomada anestésica, para diminuir o incômodo das picadas, e se algum vasinho for atingido e ficar roxo, fique longe do sol para não ganhar manchas.
Número de sessões: doze, sendo uma a cada sete dias.

Ajudinha extra!
Se você não tem estrias – e quer continuar livre delas –, vale a pena usar cremes antiestrias. Caso contrário, esqueça, pois o produto não resolve quando o problema já está instalado. Outra boa opção é adotar um hidratante rico em ureia ou lactato de amônia ou, melhor ainda, que traz os dois ativos – o que só pode ser conseguido na farmácia de manipulação e com prescrição médica. E para garantir um bom resultado, aplique duas vezes ao dia. Regra geral, esses cosméticos deixam a pele superhidratada, o que evita seu estiramento. Confira outras atitudes que ajudam a manter as linhas esbranquiçadas longe do seu corpo:
– Não engordar e evitar o efeito sanfona.
– Evitar roupas muito justas.
– Consumir frutas, verduras e legumes, que são ricos em vitaminas C e E – campeãs em estimular a produção de colágeno.
– Tomar cerca de 2 litros de água por dia.
– Esquecer o banho muito quente.